Óleo no Nordeste: O que o desastre ambiental ensina sobre resíduos classe 1

Para recadastramento junto à Celpe, irrigantes do Vale necessitam apresentar licenças ambientais e outorga do uso da água.
Irrigantes | Recadastramento na Celpe requer licença ambiental e outorga do uso da água
17 de setembro de 2019

A destinação do óleo cru encontrado no litoral nordestino está 100% correta em Pernambuco, segundo o presidente da Sanvale Soluções Ambientais, Rogério Ribeiro. Assim como os demais Resíduos Classe 1 do estado, as mais de 1.500 toneladas do composto coletadas das praias de Pernambuco estão sendo recebidos no Ecoparque Pernambuco (antigo CTR PE).

O aterro é especialmente projetado para receber rejeitos perigosos ou contaminados, como o material encontrado na praia. O espaço contém áreas formadas por cinco mantas de impermeabilização – que protegem o solo. “Além disso, o composto tem que ser protegido de chuvas e demais intempéries ambientais, evitando assim a transformação em outros subprodutos”, observa a bióloga e coordenadora técnica da Sanvale Soluções Ambientais, Silvia Mariana Barbosa.

Após chegar ao Ecoparque de Recife (PE), o óleo é peneirado; separado de outros materiais, como areia; e triturado até que chegue a uma granulação que atenda à demanda da indústria. O produto, conhecido como blend energético, é utilizado como combustível na fabricação de cimento para a construção civil e substitui o coque de petróleo.

A partir do Sertão, a Sanvale realiza há mais de 15 anos a destinação de hidrocarbonetos de petróleo em parceria com empresas de todo o Nordeste.

Resíduos classe 1: coleta e transporte

Porém os cuidados não podem ser resumir somente ao recebimento do resíduo. Por seu caráter poluente e de alto potencial cancerígeno, o material deve ser coletado por pessoas devidamente munidas de Equipamentos de Proteção Individual (EPI), como luvas e máscaras, botas, óculos de proteção e calça comprida.

“O composto possui substâncias de BTEX e até mesmo a inalação causa náuseas, vômitos e tontura imediatos”, adiciona Silvia Maria Barbosa.

O Ministério da Saúde e a Defesa Civil do Governo Federal prepararam uma apresentação com recomendações à população alertando sobre os riscos de intoxicação e contaminação pelos resíduos tóxicos.

Além disso, somente uma empresa especializada e credenciada ao aterro municipal deve transportar as grandes quantidades desse material até o aterro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *